Diário de uma pequena empresa: parte 3

Há algumas semanas iniciei a escrita de uma série de posts que apresenta os desafios enfrentados por uma startup, a saber, Conio Soluções em Tecnologia, bem como, as soluções encontradas por ela. Você pode encontrar os dois primeiros posts da série seguindo este link.

Hoje, quero falar um pouco sobre um grande problema enfrentado por startups de forma geral e que também é uma realidade para a Conio –  a falta de recursos financeiros para realizar todas as operações necessárias.

O que é uma startup?

Uma startup é definida pelo Sebrae, como “uma empresa pequena, embrionária ou em constituição, que possui projetos inovadores relacionados à pesquisa e desenvolvimento e com um enorme potencial de geração de receita”. Exatamente o caso da Conio.

É importante observar que, a característica que de fato classifica uma empresa como “pequena” é justamente seu capital social / montante de investimentos. Se uma empresa imaginária qualquer possui um número pequeno de colaboradores e área física entretanto, possui alto faturamento, ela pode ser considerada média ou grande.

A Conio Soluções em Tecnologia nasceu e sobrevive com recursos próprios, ou seja, não há até o momento em que este post foi escrito, qualquer investimento terceiro em produtos desenvolvidos pela empresa e note, eles (produtos inovadores) estão em desenvolvimento.

O desafio

Considerando o cenário de startup apresentado anteriormente, torna-se possível apresentar em maiores detalhes, o desafio mencionado no início deste post.

A Conio possui um studio de software, que desenvolve soluções para serem executadas em ambiente de nuvem. São dois produtos em desenvolvimento atualmente, sendo um para área educacional e outro para a área médica. Além disso, a Conio possui dentro de sua divisão de desenvolvimento de software, uma subárea voltada para o desenvolvimento de projetos terceirizados.

Considerando esta afirmação, fica fácil constatar os grandes desafios encontrados pela Conio. Eles são apresentados na lista a seguir:

  1. Contratação de profissionais capacitados baseados nas demandas de seu time (no caso da Conio, especializados em .NET);
  2. Recursos financeiros para a manutenção dos times;
  3. Mensurar as capacidades de cada colaborador para saber quanto e o que extrair de cada um deles;
  4. Espaço físico para suportar os times trabalharem em sintonia;
  5. Apresentar o desenvolvimento dos produtos como um desafio diferenciado para cada colaborador;
  6. Encontrar o equilíbrio entre profissionais juniors, plenos e seniors;
  7. Dividir as atenções entre CEO / CIO e arquiteto;
  8. Se puder encontrar um sócio que o complete, vá em frente. Sozinho as coisas são bem mais complicadas.

Algumas ideias para superar tais desafios

A contratação de profissionais capacitados para atender as demandas de sua empresa é um enorme desafio. Não só pela dificuldade de encontrar bons profissionais mas também, por ser uma característica que se encontra intimamente ligada com a “escassez de recursos financeiros”. Sob este prisma, gostaria aqui e propor algumas alternativas (listadas a seguir) também buscadas pela Conio.

  1. Buscar profissionais nos cursos de tecnologias das universidades e escolas técnicas da cidade e região onde sua empresa encontra-se sediada. Esta foi uma alternativa acionada em profusão pela Conio e surtiu efeito. A lição aqui é: sempre é possível garimpar talentos em cursos de tecnologia.
  2. Volte suas atenções para sua malha de contatos. Se você “é do ramo”, certamente encontrará pessoas estratégicas em sua rede de contatos. Volte suas atenções para ela. A lição aqui é: ter bons contatos vale ouro.
  3. Encontrar recursos financeiros é, de fato, um enorme desafio. Encontrar investidores é, de forma geral, a primeira ação a ser executada por “jovens empreendedores” no sentido de encontrar recursos financeiros para apoiar suas ideias. Ela é válida e deve ser tentada, entretanto, não é tarefa fácil. Se você tentar e não conseguir, são alternativas:
    • Empréstimo junto ao BNDES:  o Banco Nacional do Desenvolvimento é uma opção interessante. Boas quantias podem ser conseguidas a taxas de juros mínimas com prazos de pagamento interessantes. A dificuldade aqui na grande maioria dos casos é: a quantidade geralmente disponibilizada pelo BNDES não é suficiente.
    • Empréstimo junto aos bancos tradicionais: se o BNDES não for uma alternativa viável para você, uma opção é recorrer a empréstimos específicos de capital de giro em bancos tradicionais. É importante que você procure por capital de giro, uma vez que os juros deste tipo de dinheiro comumente são menores que os tradicionais financiamentos (tais como: CDC, por exemplo).
    • Venda de bens pessoais para aplicar na empresa: manter uma empresa requer algumas habilidades do empreendedor. Arriscar-se é uma delas. Não é incomum encontrar pessoas de sucesso no âmbito empresarial que se desfizeram de bens materiais (carros, casas, terrenos, etc.) para aplicar na empresa e arriscar em um negócio.
  4. Procure montar um ambiente físico que possibilite a seus colaboradores, desempenharem suas habilidades em nível máximo. Estão inseridos neste contexto: máquinas com configurações adequadas, cadeiras e mesas que os deixem confortáveis, ambiente favorável para a troca de informações e experiências, ambiente favorável ao aprendizado de colaboradores iniciantes, área de descanso, coca-cola tendendo a infinito, dentre outros.
  5. Salário não é tudo. Ao abordar um potencial colaborador, é preciso apresentar a ele um plano de carreira que inclua: bom salário, capacitação e crescimento profissional, ambiente favorável à seu desenvolvimento, etc.
  6. Se você é do tipo conservador, que gosta de ter “os pés 100% no chão” e prefere baixar o percentual de risco de seu negócio, você pode iniciar sozinho, com os recursos mínimos necessários, sozinho, escrevendo sua aplicação sem um prazo determinado para que consiga entrar no mercado. Neste caso, é preciso avaliar se realmente vale a espera e o esforço para conseguir desenvolver um produto.
  7. Se você é técnico (como é o caso deste que vos escreve), será tentado a manter 90% de sua atenção no aspecto técnico. Sim, isso é fundamental, afinal de contas, é “seu filho” que está sendo criado. Entretanto, é preciso saber dosar as coisas. A empresa precisará de sua atenção em outros aspectos, tais como: elaboração de plano estratégico, plano de marketing, etc. (daí a importância de contratar as pessoas corretas para seu time ou então, encontrar um sócio que o complete)

Conclusões

Se você ambiciona criar seu próprio negócio, é importante atentar para as características apontadas neste post. Você precisará encontrar o equilíbrio nestes pontos.

Se você conseguir chegar a um plano estratégico efetivo, todas as características mencionadas aqui se apresentarão automaticamente. É importante ter a consciência plena de que, os recursos financeiros, são a chave para definir 90% dos aspectos funcionais de sua empresa, influenciando inclusive na assetividade de seus produtos e negócios.

Falaremos sobre os perfis do empreendedor na área de TI em posts futuros, entretanto, tenha desde já, o seguinte mind set: você possui deficiências. Se a sua deficiência impacta em algum aspecto importante da empresa, é fundamental que você encontre alguém que possa lhe completar e com quem possa dividir as responsabilidades.

Por hoje é só. Um abraço e até a próxima!

 

468 ad

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


+ um = 9

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>